Tempo de Leitura: 1 minuto

RESUMO DA NOTÍCIA

  • A Arquidiocese de Goiânia juntamente com suas paróquias informa aos fiéis que vem sendo realizados em nossa região golpes praticados por pessoas que se dizem ser os respectivos padres.
  • O primeiro caso aconteceu cerca de um mês atrás, quando uma pessoa relatou ter recebido mensagens do número falso pedindo dinheiro.
  • Entre em contato com a Cúria, pelo telefone (62) 3223-0756 para mais informações.

A Arquidiocese de Goiânia juntamente com suas paróquias informa aos fiéis que vem sendo realizados em nossa região golpes praticados por pessoas que se dizem ser os respectivos padres e, utilizando-se desta prerrogativa e da boa fé da comunidade, estabelecem negociações sem a realização do pagamento devido.

O primeiro caso aconteceu cerca de um mês atrás, quando uma pessoa relatou ter recebido mensagens do número falso pedindo dinheiro. O mais recente foi descoberto na última semana, quando uma paroquiana que preferiu não se identificar procurou o padre contando estar recebendo mensagens de um número que dizia ser ele há aproximadamente alguns dias.

Diante disto, o reitor do Santuário-Basílica Sagrada Família, administrador paroquial da Paróquia Santíssimo Redentor em Goiânia e membro do Conselho Presbiteral, Pe. Rodrigo de Castro ressaltou que por se tratar de uso indevido do nome de qualquer padre, para lesionar as pessoas para causar-lhes prejuízo, configurando os crimes de estelionatário e de falsidade ideológica, todas as pessoas que se sentiram lesadas por esta prática, devem informar às autoridades civis e militares, para proceder o registro da ocorrência policial para que se possa investigar e chegar até as pessoas responsáveis pela prática de tais delitos.

Vale lembrar que diante de situações ou atos que denotem dúvidas em relação a verdadeira identidade da pessoa que se faz passar por “Padre” em qualquer mídia ou rede social, entre em contato com a Cúria, pelo telefone (62) 3223-0756 para mais informações, a fim de que não exista mais nenhuma vítima de atos criminosos.

Por: Morgana Kelly

Write a Reply or Comment