Tempo de Leitura: 1 minuto

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Uma operação da Polícia Civil de Goiás desarticulou uma quadrilha especializada na venda irregular de remédios experimentais contra a Covid-19.
  • O remédio de alto custo está em falta no mercado convencional.
  • A Operação Nisi Facilis foi deflagrada entre abril e maio deste ano.

Uma operação da Polícia Civil de Goiás desarticulou, na última semana, uma quadrilha especializada na venda irregular de remédios experimentais contra a Covid-19. A Operação Nisi Facilis foi deflagrada entre abril e maio deste ano.

Segundo informações, o remédio de alto custo está em falta no mercado convencional e a investigação apontou que o medicamento era comercializado pelos criminosos diretamente com familiares das vítimas, através das redes sociais.

A investigação revelou também que uma caixa do medicamento de 200mg custa aproximadamente R$ 775 no mercado regular, mas estava sendo vendido por criminosos atravessadores por mais de R$ 18 mil. Em determinados casos, uma caixa vendida no mercado convencional por R$ 6 mil, chegou a ser comercializada por R$ 48 mil, preço seis vezes acima do convencional.

No total, sete pessoas foram presas, e estas possuíam atividades distintas dentro da associação criminosa. Umas eram responsáveis pelo fornecimento do medicamento, outras pela intermediação entre fornecedores e revendedores finais. Os remédios eram oferecidos em páginas específicas na internet, destinadas exclusivamente à aquisição destes produtos.

Além de amostras do medicamento apreendidas em poder dos investigados, também foram localizados e apreendidos itens da droga Propovan (Propofol), utilizada para a sedação de pacientes em procedimentos cirúrgicos, produto que compõe o kit intubação, muito utilizado em determinados procedimentos para tratamento da Covid-19 em casos avançados, e também em falta no mercado, bem como aproximadamente R$ 11 mil em espécie e receituários de medicamentos de uso controlado em branco.

Todos os investigados foram indiciados por associação criminosa e crime contra a saúde pública, que é equiparado à adulteração de medicamento consistente no comércio ilícito de medicamentos e a pena pode chegar a 15 anos de prisão.

Por: Morgana Kelly

Write a Reply or Comment