Tempo de Leitura: 1 minuto

RESUMO DA NOTÍCIA

  • A Igreja Católica em Goiás e no Brasil está vivenciando a quinta edição da Jornada Mundial dos Pobres.
  • A V Jornada Mundial dos Pobres vem sendo marcada, por uma série de ações desde o lançamento em 14 de setembro, e vai até o dia 14 de novembro.
  • Ela foi instituída pelo Papa Francisco em 20 de novembro de 2016, na conclusão do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia.

A Igreja Católica em Goiás e no Brasil está vivenciando a quinta edição da Jornada Mundial dos Pobres. Jornada que foi instituída pelo Papa Francisco em 20 de novembro de 2016, na conclusão do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia.

No Brasil, nesse ano de 2021, adotou-se o tema: “Sentes compaixão?”, um convite a não ter indiferença frente ao sofrimento das pessoas em situação de vulnerabilidade e à crescente pobreza socioeconômica que assola mais 51,9 milhões de brasileiros e brasileiras. O lema bíblico que inspira a celebração desta edição é: “Sempre tereis pobres entre vós”, extraído do livro de Mateus.

A V Jornada Mundial dos Pobres vem sendo marcada, por uma série de ações desde o lançamento em 14 de setembro, e vai até o dia 14 de novembro.

Na mensagem para V Jornada Mundial dos Pobres deste ano, o Papa Francisco convidou a Igreja e a sociedade para não apenas reconhecer também pobres e “ficar à espera que batam à nossa porta” mas ir ter com eles às suas casas, aos hospitais e casas de assistência, à estrada e aos cantos escuros onde, por vezes, se escondem, aos centros de refúgio e de acolhimento… e que É importante compreender como se sentem, o que estão a passar e quais os desejos que têm no coração”.

O Sumo Pontífice lembrou também que “os pobres não são pessoas ‘externas’ à comunidade, mas irmãos e irmãs cujo sofrimento se partilha, para abrandar o seu mal e a marginalização, a fim de lhes ser devolvida a dignidade perdida e garantida a necessária inclusão social”. Os católicos do Estado de Goiás podem conferir em suas paróquias a forma de participar da Jornada Mundial dos Pobres.

Por: Morgana Kelly

Write a Reply or Comment