Tempo de Leitura: 1 minuto

RESUMO DA NOTÍCIA

  • O Conselho Monetário Nacional regulamentou medida provisória que permite que o imóvel financiado pode ser usado como garantia em empréstimos.
  • A medida vale para pessoa física ou jurídica e visa aumentar a liberação de crédito pelos bancos, além de injetar 60 milhões na economia.
  • O cidadão deve ficar atento antes de colocar o patrimônio como garantia do novo empréstimo, para não gerar endividamento desnecessário.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou medida provisória que permite que o imóvel financiado pode ser usado como garantia em empréstimos. A medida vale para pessoa física ou jurídica e visa aumentar a liberação de crédito pelos bancos, além de injetar 60 milhões na economia.

O cálculo do empréstimo vai depender do valor de avaliação do imóvel, do saldo devedor e do tipo de financiamento. O limite é de 90% do valor do imóvel menos o saldo devedor. A operação não pode ter taxa de juro superior ao da original. Além disso, o prazo de pagamento não pode ultrapassar o tempo que falta para quitar o financiamento. Por enquanto, o empréstimo só pode ser feito no mesmo banco da primeira operação.

O advogado especialista em Direito Imobiliário da Construção, Arthur Rios Júnior, explica que em caso de inadimplência o banco pode executar a garantia e levar o imóvel a leilão. Com isso, o cidadão deve ficar atento antes de colocar o patrimônio como garantia do novo empréstimo, para não gerar endividamento desnecessário.

Por: Morgana Kelly

Write a Reply or Comment